Perguntas Frequentes

Reunimos aqui respostas para as principais dúvidas sobre a vacinação de cães e gatos.

Posso utilizar uma vacina que congelou?

Não, qualquer uma das vacinas que vendemos deverão ser descartadas caso tenham sido congeladas.

Posso utilizar vacinas armazenadas na temperatura ambiente?

Não. Qualquer uma das vacinas que vendemos que ficarem por mais de 1 hora à temperatura ambiente superior a 22 ºC, devem ser descartadas.

Quanto tempo devo e posso esperar para aplicar uma vacina após a sua diluição?

As vacinas devem ser aplicadas imediatamente após a reconstituição do pó (fração liofilizada) pelo seu diluente (fração liquida).

Posso armazenar vacinas em geladeiras onde também armazeno alimentos?

As vacinas devem ser armazenadas em geladeiras que garantam a estabilidade da temperatura entre 2º e 8º C.

Devo utilizar um desinfetante/antisséptico (por exemplo, álcool) no local da aplicação da vacina?

Não. O uso de antissépticos na pele no local e na hora da aplicação da vacina não tem a sua eficácia desinfetante comprovada, podendo o produto residual excedente no local da aplicação inativar ou interferir com a eficácia da a vacina. Todavia, é fundamental que a região da pele onde a vacina será aplicada esteja com aspecto saudável e limpo.

Posso misturar diferentes tipos de vacinas na mesma seringa?

Não. Nunca se deve misturar preparações vacinais diferentes na mesma seringa, a menos que especificado pelo fabricante em bula.

Posso aplicar diferentes vacinas no animal ao mesmo tempo (no mesmo dia) ?

Sim, cães e gatos  devem ser capazes de responder a vários antígenos administrados simultaneamente, desde que estejam clinicamente saudáveis.

O ideal é aplicar as diferentes vacinas em diferentes sítios anatômicos para que diferentes linfonodos estejam envolvidos na resposta imune, gerando assim uma melhor resposta imune, muito embora nenhum estudo ainda comprovou essa informação. Lembrando de nunca  misturar diferentes vacinas   na mesma seringa, a menos que esteja especificamente indicado na ficha técnica do produto.

Posso aplicar doses menores de vacinas (volume aplicado menor que o volume total) em raças de pequeno porte para reduzir o risco de reações adversas?

Não. Você deve aplicar o volume total, tal como recomendado pelo fabricante, que  representa a dose mínima imunizante,  independentemente da raça ou porte do animal.

Com que frequência acontecem reações adversas às vacinas?

As vacinas modernas e utilizadas atualmente são muito seguras, e apresentam uma incidência muito baixa de efeitos colaterais. Os benefícios da proteção contra  doenças infecciosas graves superam muito qualquer risco do animal  desenvolver uma reação adversa.

A análise recente de um banco de dados de um grande hospital veterinário dos EUA  permitiu a publicação de dados com base em um número muito grande de cães e gatos vacinados, a saber:

  • 38 de 10.000 cães vacinados, (Moore et al.2005), apresentaram reações adversas de qualquer tipo, incluindo as reações muito pequenas, nos primeiros 3 dias pós aplicação.

Posso vacinar um cão ou gato anestesiado?

É melhor sempre se evitar vacinar animais anestesiados, principalmente pelo risco aumentado de aspiração de conteúdo de vômitos, que são muito frequentes em pacientes com hipersensibilidade à vacina. Além disso, alguns agentes anestésicos podem ter efeito imuno modulador e assim interferir na resposta imune.

Quanto tempo depois de parar uma terapia imunossupressora ( p.ex: corticoides) é preciso esperar antes de revacinar um animal de estimação?

No mínimo de 2 semanas.

Posso vacinar filhotes com menos de 4 semanas de idade?

Não. Filhotes nesta idade têm um nível muito elevado de  MDA (anticorpos maternos derivados) o que bloqueia a resposta do sistema imunológico, portanto não há indicação. Além disso, em geral os fabricantes de vacina não recomendam  ou apoiam essa prática pois não podem garantir a segurança para esses filhotes tão jovens.

Devo aplicar doses de reforço de uma vacina, a cada 7 dias, se um animal está em alto risco de doença?

Não. As vacinas não devem ser administradas com intervalo menor do que 14 dias, inclusive quando considera-se administrar diferentes vacinas.

A presença de MDA (anticorpos maternos derivados) na circulação dos filhotes, pode interferir ou até impedir a imunização ativa com vacinas vivas atenuadas em todos os filhotes?

A presença de MDA nos filhotes impedirá uma resposta imune ativa e eficaz durante as primeiras semanas de vida. A última dose de vacina do protocolo de vacinação dos filhotes deve ser aplicada somente quando os níveis de anticorpos baixam para níveis que já não poderão mais bloquear a repsosta imune e para a grande maoiria dos filhotes, isto ocorre ao redor da 16o  semana de de vida. Os estudos mais recentes indicam que a última dose da vacina polivalente deve ser administrada  aos filhotes de cães e gatos com  idade de 16 semanas ou mais (VGG- WSAVA 2016).

Sabe-se que o MDA (anticorpos maternais derivados) pode interferir ou até impedir a imunização ativa com vacinas vivas atenuadas nos filhotes, mas podem também bloquear a resposta imune às vacinas mortas ou inativadas?

Sim. A presença de MDA no filhotes também pode bloquear a resposta à algumas vacinas mortas (inativadas). Se uma vacina morta (inativada) necessita de duas doses para promover imunidade, como é frequente, na presença de MDA a primeira dose será  bloqueada e por consequência a segunda dose não imunizará. Nesta circunstância, a segunda dose de vacina inativada será considerada a primeira, e assim será necessária uma terceira dose para imunizar.

Quando deve ser administrada a última dose vacinal na série de vacinas para cães?

O protocolo vacinal deve ser realizado de maneira que a última dose de vacina seja aplicada com 16 semanas de idade ou mais. (VGG- WSAVA 2016)

Algumas vacinas contra o CPV-2 conseguem imunizar filhotes em idade mais precoce (na presença de MDA), do que outras vacinas contra o CPV-2?

Sim. As vacinas contendo títulos virais elevados de CPV-2 vivo atenuado imunizam os filhotes algumas semanas antes do que as vacinas contendo CPV-2 inativadas.

As vacinas atuais contendo a cepa CPV-2 e CPV2b, fornecem proteção contra a doença causada pela nova variante do vírus, a CPV-2c?

Sim. As vacinas CPV-2, independentemente da variante que contêm, estimulam uma resposta imune ativa (anticorpos), que protegem  de todas as variantes  atuais de CPV-2 (2a, 2b, e 2c). No entanto, já houve relato  na literatura Italiana de um surto de Parvovirose por CPV-2c em cães que foram vacinados com uma vacina CPV-2 (Decaro et al.2008) provavelmente devido a altíssima pressão de vírus no ambiente.

Existem variantes de CDV ou CPV-2 circulantes no ambiente para os quais as vacinas atuais não são capazes de fornecer imunidade protetora ?

Não, até onde conhecemos.  Todas as vacinas CDV e CPV-2 atuais fornecem proteção contra todos os sorotipos isolados e conhecidos de CDV ou CPV-2, quando testados experimentalmente, bem como no campo.

Alguns filhotes podem desenvolver sintomas de Parvovirose ou Cinomose, poucos dias após receber uma dose de vacina, por que isso acontece?

A razão mais comum para esta ocorrência (ou seja, infecção viral em um filhote recentemente vacinado) é que o animal já estava incubando o vírus infeccioso antes de ser vacinado. É possível que estes filhotes tenham sido infectados durante a “janela da suscetibilidade”, ou seja quando já não tinham mais MDA (anticorpos maternos) em nível suficiente para protegê-los totalmente contra vírus do ambiente, mas a quantidade de MDA que estava presente era suficiente para interferir com a sua resposta imune à uma vacina recentemente administrada.

A vacina contra Leptospirose, que está na fração liquida da vacina IMUNOCAN V8, pode ser administrada isoladamente e com intervalos de 6 meses em áreas de alto risco de Leptospirose?

Sim. O período de revacinação semestral confere maior proteção do que a revacinação anual contra Leptospirose em áreas de alto risco.

Nessa situação, sempre sob a orientação do médico veterinário, também será possivel usar a fração liofilizada da vacina IMUNOCAN V8 (DHPPI), isoladamente da fração liquida, diluindo o liofilzado com 1 ml agua estéril para injeção e aplicando-a por via subcutanea imediatamente após a diluição.

Posso aplicar vacinas Imunocan em outras espécies animais, como por exemplo nos Furões?

Não, as vacinas são para uso exclusivo em cães e gatos domésticos.

Vacinas

Imunocan V8

Imunocan Puppy

Biofel PCH

Imunocan D

Contato

+55 11 5677-5807

Endereço

Rua Emílio de Sousa Docca, 472 – Vila Santa Catarina – São Paulo – SP – 04379-024 – Brasil

Laboratórios Grascon do Brasil Ltda - 2022 | Todos os Direitos Reservados

Configurado por Design 24 Horas - Arte, Criatividade e Serviços